Copyright © 2017-2019 NINFA ARTEMIS

Capítulo 4

P2Romance

 

Data: Domingo,  20 Dezembro 1998    00:59h,  *Assunto: “Tigres”

Oi, Tigrão! (estou com sotaque brasileiro, dá prá notar?)

Escreva prá  mim, vá...estou-te esperando. Tigrão!

Você  é tão  mauzão que merece um problema.  Não pode parar para  pensar...tem de ser rápido, tá  Tigrão?  Tenta desenhar no ar, simultaneamente, um oito com o pé  esquerdo e um três com a mão direita e vice-versa.

Tentou? Gostou, Tigrão?

Estou a piscar os olhinhos que nem uma linda luz vinda de uma árvore de  natal...vejo piscar as luzinhas de natal...tão alegres! Tão coloridas!

Tigrão! Quando puder ponha as suas  garras no teclado e tecla para mim...  Sou uma Pantera de olhos verdes…estou lhe observando. Observando com profundidade.

Feliz Natal e Feliz Ano Novo!

 

 

Data: Sábado,  26  Dezembro 1998    00:03h,  *Assunto: Re: “Tigres”

Adorei tigresa… Um beijo

 

 

Data: Domingo,  27  Dezembro 1998,  03:23h *Assunto: “Mails”

Olá!

(poema)

"Não posso dizer que me sinta como felina numa jaula, Obrigada  a caminhar junto às grades, Não posso dizer que me sinta como pássaro ferido nas asas, Obrigada a caminhar  junto à  terra, O que posso eu dizer? Estou imobilizada, Impedida de caminhar junto a algo... Algures li, Se tu sabes para onde caminhas, A multidão afasta-se para te deixar passar, A multidão do usual empurra-me em direcções, Não sei para onde me levam, Estarei condenada a estar presa a eles? Não terei forma de me escapar?Qual a saída para outro mundo? Desistindo de viver não teria alívio, Eu nunca tive pouco, Eu nunca tive muito, Sendo assim tudo foi morno, A morte seria mais uma coisa morna… Não, eu não estou em lado algum, E quando estou, Sofro de palidez, Não tenho a sorte de saber compor canções, Seriam sentimentos a passarem por mim, Sentimentos a procurarem encontrar, Outros seres com o mesmo bilhete de identidade que o meu… Os meus sentimentos sentem-se sós, Vão à procura mas sós regressam, Acusam-me de eu ser a culpada dessa solidão, Elevam-me no ar e como vingança, Deixam-me  cair a grande altitude, Estou mal... Ai-ai!" (fim)

Criaste um espaço (o teu email)  para ser invadido e foi isso o que eu fiz!

Recebeste-me tão bem que só por isso apetece-me dar-te agora mesmo, um  enorme abraço! Repito o que já te disse anteriormente: conheço-te de outros tempos, acredito no que te digo e não sei explicar-me.

Quando o cientista é um bom cientista, sabe que não deve negar a existência do que ele não consegue explicar e que o sensato é afirmar estar perante um assunto inconclusivo, devido à rudeza dos meios técnicos atuais.

Sim…sempre tive a sensação de que te conheço de outra reencarnação…ou então é uma sensação vinda não do passado (reencarnação) mas do futuro! –será que tu vais ser importante para mim na tomada de uma decisão crucial que afetará todo o meu futuro? Será?

No outro dia estava a ver televisão, decidi, não sei porquê, mudar de canal e lá estavas tu a dar uma breve entrevista sobre uma possível participação tua num filme mas, o tema principal era a gravação do teu novo videoclipe musical!

A minha mãe tinha acabado de entrar na sala quando estava a dar um pequeno extrato de uma cena de gravação do teu videoclipe. A minha mãe disse que a atriz tinha um ar mais alegre que tu, talvez fosse por ter mais roupa que tu pois parecias estar com frio.

Como eu sorria a minha mãe disse seriamente: “Os artista têm uma vida difícil!  por vezes têm de nadar em rios! em pleno inverno frio de neve se o chefe do filme mandar! Têm de fazer tudo o que lhes mandam!” 

Ninguém tem a vida facilitada. Somos  todos iguais. Se temos mais numa coisa temos menos noutra: a lei do equilíbrio. Tu que és artista explica-me o que é isso da fama, dinheiro, amor?

Nunca te coloquei questões de caráter pessoal por entender que não me irias desvendar coisa alguma, para além de que poderias retraír-te em relação a mim.  Abraço

 

 

Diálogo 5 * colega de trabalho* Segunda-feira,  28 Dezembro 1998    19:40h

- Olá famosa! Desculpa o atraso...

- Não me dês explicações sobre o teu atraso...  só vais inventar!

-Está bem, minha anjinha preferida! Anda ali comigo fazer umas compras...vamos no meu carro.

- Vai fazer-se tarde para jantarmos num restaurante...não será melhor, sendo assim, comermos na praça alimentar do centro comercial onde vais fazer as compras?

- E ficamos sem um jantar a sério?

- A comida séria não te tornará mais séria!

- A anjinha hoje está com as asinhas de fora! Puseste batom! Fica-te bem. Por mim tudo bem…vamos então para o centro comercial! Há muita decoração com anjinhos de Natal!!... Agora falando do fulano cantor, trouxeste-me os recentes textos dos emails entre vocês os dois?

- Claro que trouxe! Sou um anjinho!...Será melhor primeiro sentarmo-nos e comermos alguma coisa e, só depois irmos às lojas de roupa, não achas? Queres comprar alguma peça de roupa mais vistosa para a passagem de ano, certo? Ou não queres comer agora pois ficarás com barriguinha, depois toda a roupa justa que proves na loja parecer-te-á horrível, acabarás por não comprar nada hoje e, terás de vir cá noutro dia?

- Estou cheia de fome e portanto, comemos agora!...

- Ok! Vamos então comer! (…)Então? o que me tens a dizer dos textos? Estiveste a lê-los nestes últimos trinta minutos.

- O que eu te disse anteriormente mantém-se: acho que tu realmente escreves bem e em quantidade! Não tenho formação literária para te avaliar mas a mim agrada-me...é diferente....Na verdade pareces-me ser várias pessoas. Quando leio os teus textos fico admirada...é incrível como pensamos que conhecemos alguém e afinal não! No dia a dia, não dá para ver este teu outro lado. Vê-se que és dotada de sensibilidade mas não dá para ver o teu “eu”, daí serem uma surpresa para mim os teus textos.

- O mal comum a muitos de nós mortais: os mundos que cada um carrega, a forma como cada um os esconde dos outros...sem saber que é uma pena não revelá-los. Possivelmente na maioria das vezes, nem quereríamos escondê-los…muitas vezes até sofremos por não sermos capaz de nos mostrar aos outros… Todos nós temos alma de poeta…

- Eu tenho alma de poeta…mas eu sou uma alma vadia, querida. O que pensas fazer com os teus textos que lhe envias, caso a coisa com ele não vá a lado algum?... Estás a pensar num livro?

- O que eu tenho não é muito...seria um livro sobre quê?! Qual seria a história?

- Olha, pessoalmente, também não sei...talvez um livro de poemas.

- Um livro de poemas? Não sei...quando uma ideia me agrada nem perco tempo a pensar nos prós e contras: passa logo a crescer na minha mente como um arranha céus instantâneo! Principalmente se são ideias, projetos com os quais vibro. Isso dá-me confiança imediata e luz para ver como concretizá-los. Mas neste caso, um livro de poemas? Hum...não sinto o meu coração a agitar-se ao ouvir esta ideia, não creio que tal vá suceder. Quanto a um livro auto biográfico…quem sabe se a minha vida não fica super bizarra e dá uma boa história?

- “A crescer na minha mente como um arranha céus instantâneo!” –dizes tu. Uma coisa a crescer na tua cabeça... Aquele cantor do modo que é infiel, vai-te pôr a crescer um belo par de cornos na tua cabeça.

- Escrever um livro…tem de ser uma coisa brilhante! Já que a coisa dele não brilha, a não ser que ele use preservativos fluorescentes.

- Esta Anjinha quer que a coisa brilhe! Se fosse um livro tinha de ser uma coisa brilhante, diz ela! Bem…eu acho que é uma pena estes teus textos ficarem para aí perdidos. Digo-te mais: ele não merece tanta qualidade literária, o que ele quer é sexo! Quando é que te vais convencer que aquilo que te digo é a verdade? Esta coisa dos textos serve apenas para ele ficar intrigado, fascinado e até sentir uma ponta de inveja de ti. Tu és mais talentosa! Ele escreve algumas letras das canções dele, ele tem jeito mas tu tens mais!

- Sou mais talentosa?

- Sim. Entretanto arranja alguém que te ame. Nada se compara a amar-se e ser-se amado também. Isto da internet com esse cantor.... se queres a minha sinceridade, ele a partir de dada altura vai pensar que estás obcecada por ele. Eu, a um homem daqueles, escreveria apenas algo do género: “Sou a fulana X, tenho a idade Y, vivo na cidade K, tenho o curso superior M, sou boa na cama e gostaria de te conhecer melhor”. Não acredites em uma só palavra do que ele te escreve ou venha a escrever...ele, poucos segundos depois já te esqueceu e está a dar resposta a outra que também lhe tenha enviado um email. Ele parece saber o que quer: sexo, poder, adoração e música! A vida dele deve ser complicada de gerir: mulherada que nunca mais acaba, além de ser bastante solicitado para eventos sociais…é este tipo de homem que te interessa?

- Eu ando perdida…sempre andei e pioro a cada dia que passa.

- Repara...dores toda a gente as tem! Tens de ser forte! Eu quando casei, podes não acreditar, mas eu era virgem. O meu ex-marido revelou-se um excelente filho da puta: era muito agressivo, quer fisicamente quer psicologicamente. Divorciei-me e talvez como vingança ou ódio, não me importo de dormir com um fulano que me agrade nem que seja por uma noite só. Nem me importa que ele se vá simplesmente embora sem me querer conhecer melhor...Às vezes fico deprimida mas a vida é assim: cheia de dores. Quero ir para a Austrália…mudar de vida. O meu dinheiro também se desvanece. A minha vida está caótica. A minha casa, se a visses, continua uma desarrumação... Pior está a minha cabeça!... É tudo confusão...não sei nada de nada...

- Antes isso que as palermices em que eu me meto! 

- Mas apesar de tudo, sinto-me bem! Tu devias sair mais de casa, ter namorados; isolas-te muito!… Namora! Por aquilo que me contaste tiveste poucos namorados e que não prestavam, não é anjinha? Este cantor vai ser outra merda…e talvez te faça como os outros: mine a tua auto confiança. Sempre a mesma anjinha a não topar os esquemas parasitários dos outros... só quando estás a ser enforcada é que cortas a corda.

- A um desses namorados sempre lhe incomodou o facto de eu ficar intimidada e calada com as pessoas... Nunca fui muito de meter conversa de ocasião. Então um dia ele disse-me: “Tu devias tentar integrar-te mais no grupo, mesmo que não os conheças, mesmo que não te identifiques com eles, nada custa dizeres alguma coisa.... Viste, no jantar convívio, a Maria, a namorada do Manuel? Ela também não conhecia a maioria do pessoal presente mas não se retraiu!” Ela de facto falou e meteu conversa com a malta...sabes qual foi o assunto dela?

- Não...

- Olha, ela conseguiu falar quase durante uma hora sobre a preferência que ela tinha por coxas de frango frito... Dizia ela que as preferia ao cabrito que estava também na ementa do jantar. E eu?! Eu podia ser inteligente, compreensiva, ter-lhe dado apoio durante cinco longos meses numa fase difícil de desemprego que ele atravessou....mas isso ele não valorizava. Era licenciado mas as coisas estiveram difíceis até conseguir emprego. Nunca me elogiou ou agradeceu o apoio dado e fala-me num tom enfático da Maria como um exemplo para mim!! Coxas de frango frito!!! 

- É de facto uma situação engraçada!

- Após ele me ter dito que eu deveria meter conversa pois nada custava, acrescentou: “É simples! Tão simples como água!” Eu respondi-lhe: “Não, não é.“ Ele diz-me a gozar: “Não?! Olha a Coca-Cola de facto é bem mais complicada! Além de água tem mais algumas coisas à mistura!” Aí eu perguntei-lhe: “Se a água é assim tão simples porque é que ainda não viste ninguém a fazer água?! Acabava-se com a fome nos países com  problemas de seca!”

- De facto é verdade: ninguém conseguiu fabricar água em laboratório, acho eu.

- Algumas das observações dele relativamente a mim eram já sistemáticas e outras ele nem verbalizava. Ele era pouco sincero e muito indireto, mas eu intuía. Então perguntei-lhe: “Não achas que tu e eu somos diferentes? Não achas que essas diferenças não ajudam nem a mim nem a ti? Não achas que deverias procurar alguém parecido contigo? Não achas que eu sou demasiado complexa para a tua simplicidade?” Meses mais tarde terminámos. Os meus fins são sempre pacíficos, nunca existem discussões e nem sequer sei que aquele é o fim. Ele tinha arranjado um outro emprego, ia mudar de cidade e as coisas diluíram-se no tempo e na distância. Parece ser um padrão na minha vida. Depois um dia aparecem do nada a quererem saber coisas sobre mim, mas eu já me afastei para sempre.

- A frase foi gira! Vou usá-la no próximo despacho que eu der: “Querido, sou demasiado complexa para a tua simplicidade!” Gostei! Sabes…eu acho que dás muita importância às relações sentimentais…sofres imenso e por muito tempo. Não sejas assim! Tenta ser mais leve! Deixa as coisas fluírem! Vai na onda! Não te esforces para que as coisas resultem! As pessoas ou são compatíveis ou, não! Se uma relação fracassa não vale a pena ficar a sofrer…a vida dá mais oportunidades de felicidade! O passado deve ficar no passado! Devemos manter o tempo presente e o futuro cheio de esperança.

- Disseste umas coisas bonitas. Gostei. Sabes, tive um outro namorado em que as coisas foram bem piores. Eu estava sozinha há já algum tempo. É sempre bom ter alguém ao nosso lado (pensava eu) e portanto deixei-me arrastar para essa relação que eu já pressentia que não iria resultar.

- A minha anjinha preferida deixou-se arrastar…

- Passado algum tempo vi que o fulano regulava mal da cabeça: fazia-me perseguições! Perseguia-me de carro para ver se eu teria outro namorado, perseguia-me também com chamadas telefónicas para casa para ver se eu já estava em casa. A última namorada tinha-lhe sido infiel e eu agora tinha de aturar esta palhaçada das perseguições!... Se eu chegava atrasada cinco minutos ao encontro com ele, vinha ele com insinuações sob a forma de perguntas: com quem tinha eu estado para me ter atrasado cinco minutos?! No entanto, aí é que está a graça, a maioria dos amigos dele eram mulheres!!! Até o cabelo dele era aparado numa cabeleireira!... Dizia que achava isso muito normal pois não era homossexual!! Também me disse que já chegou a andar com quatro namoradas ao mesmo tempo!!! Então porque ficou traumatizado com a história da namorada anterior lhe ter sido infiel?! O que eu achava é que ele era desconfiado porque ele próprio era desonesto! Ele conseguia pôr-me cada vez mais pasma com as atitudes dele! Queres ver um outro exemplo? Uma vez eu ia no carro dele, ele ia a conduzir, passamos por uma casa que tinha uma placa a anunciar a venda da mesma e o contato telefónico do vendedor. Pergunta-me ele passados alguns minutos: “Quero ver até que ponto és inteligente. Diz-me de memória qual era o número de telefone que estava na placa?” – dizia ele em tom exigente e mandão!

- Para que é tu aturas parvos?! Tens uma paciência de santa!

- Eu decidi entrar numa licenciatura de computação por causa deste fulano. A moda dos computadores e da informatização estava a iniciar-se e eu, que pouco sabia do assunto, precisei perguntar-lhe algo. Ele quase me enfiou a cabeça dentro do ecrã do computador. Ele andava enervado com algo a nível profissional no emprego dele. Fiquei pasma a olhar para ele.  Eu disse-lhe: “Esta foi a primeira vez e última vez, porque se me tocas alguma vez mais para me agredires, acabas no hospital ou pior. É só uma questão de eu me passar da cabeça.” –disse eu com muita calma. Sabes o que ele me ofereceu antes de ir definitivamente embora da minha vida?

- O quê, querida?

- Uma caixa enorme de cerejas! Talvez uns dez kilos! Eu não queria aceitá-las mas ele insistiu muito.

- Cerejas?!

- É verdade! Conforme te disse há pouco, nunca consegui ter rompimentos dramáticos, com discussões! Tudo pacífico e bizarro. Porque sabia que eu gostava de cerejas, quis dar-me uma caixa…quase dez kilos! A minha mãe quando soube disso não queria que eu as comesse! Podiam estar envenenadas! –dizia ela. Comi-as e tive uma enorme dor de barriga!

- Ele pôs algum produto químico para te dar dores de barriga?!

- Não querida…eu é que comi muitas de uma só vez! Adoro cerejas! O maldito controle dele! As malditas perseguições e desconfianças! Ele mantinha contatos e encontros, conforme vim a descobrir, com as ex-namoradas das quais ele se queixava muito a mim!! Segundo ele, todas elas tinham imensos defeitos! Ele tinha sido um sofredor nas mãos delas! –dizia ele. Eu já não podia sequer olhar para ele. A situação estava insuportável! Até que um dia eu lhe disse: “Tu não me fazes sentir nada bem comigo mesma, funcionas de forma errada e contagias-me...dás-me azar. A minha vida vai de mal a pior! Eu era bem mais alegre que agora, desaparece da minha vida! “

- A minha anjinha quando se decide é firme! Muito bem!

- A vida às vezes é uma anedota infeliz…perder tempo com doidos e coisas doidas só dá azar. Um dia as coisas vão mudar para nós as duas! Vão mudar para muitíssimo melhor! Vamos viver um sonho maravilhoso! Vai ser fantástico! Não achas?

- Espero bem que sim…mas infelizmente é preciso lutar pelas coisas…não basta desejá-las para que elas aconteçam, não é meu anjinho? Tu tens de ter cuidado contigo própria…metes-te em situações! Só atrais doidos. Eu sou uma doida mas do tipo boa pessoa. Os teus ex-namorados, e esse cantor, são doidos dos quais só vêm coisas ruins, desespero e perda de auto confiança. Um dia serás uma cantora e uma escritora famosa… terás uma vida de sonho e dizes adeus às peripécias malucas que te sucederam!

- A fama é fogo de artifício: aparece-se, faz-se imenso estrondo, toda a gente repara no artista sucesso do momento que brilha bem lá em cima e depois, a estrela vedeta apaga-se na noite e não resta alguém para observar o céu. Todos já viraram costas e foram às suas vidinhas.

- Não é nada assim! Os fans são seguidores fanáticos até ao fim! Eu serei tua fan de top! Eu queria que fosses famosa! Adorava ter uma amiga super famosa! Da próxima vez que escreveres ao fulano cantor, escreve-lhe a dizer algo do género: “Beijinhos fofinhos na tua coisa!”  Ele vai adorar. O que é que tu achas que um gajo daqueles terá para oferecer a uma mulher?! Tempo? Acho que não tem! É super ocupado! Amor e atenção? Duvido…ele tem ar de egoísta.

- Ok. Ah! Esqueci-me de te contar uma coisa muito engraçada acerca de pessoas perseguidoras e controladoras!

- Vais falar outra vez do fulano das cerejas?

- Não! Ouve: é mesmo uma história muito engraçada! Há dias andava eu às compras no hipermercado quando ouvi uma amiga a queixar-se à outra: “Sabes que o palerma do meu namorado para saber se eu de facto estou em casa, pois só uso telemóvel e não telefone fixo, manda-me pôr o papagaio a falar ao telemóvel! Ele assobia e o bicho imita-lhe o assobio!” Ela comentou aquilo de forma tão indignada que o volume da voz dela permitia toda a gente em redor ouvir!

- Foi gira a história! Outra coisa querida: deixa-te de videntes. Mesmo que acertem em alguma coisa, é melhor guiares-te pela tua cabeça! O empregado vem aí com a sobremesa! (…)Deixa-me olhar bem para a minha salada de fruta! Eu também vou ser vidente por alguns minutos! Eu sou do tipo que leio a sina numa salada de fruta, qual o nome desses videntes?

- Que lêem a sina numa salada de fruta?! Acho que não existe…há quem leia em folhas de chá, borras de café, búzios, cartas…sei lá…em salada de fruta?! Olha porque não? Diz vidente, o que vês para mim na tua salada de fruta?

- Vejo que vais comigo às compras...comprar roupinhas sexy! A passagem de ano está aí em breve!

 

 

Data: Sábado,  06 Fevereiro 1999    10:39h, *Assunto: “Facas”

Olá, posso entrar? Há mais de um mês que não te escrevo

Decidi comprar uns patins em linha. Temos aqui uma espécie de barracão com bastante espaço livre, por isso vou tentar aprender, sozinha, a andar sobre os patins. 

Ontem, num centro comercial, enquanto esperava que uma colega minha saísse do cabeleireiro (duração prevista de 1h30), concluí, por aquilo que fiz enquanto a aguardava circulando pelo centro comercial, que não se pode comer nada, nem um simples chocolate, enquanto se está numa loja de perfumes! Os odores entram  pela boca! Eu sei que é óbvio mas para mim ainda não o era  

À noite tinha email de alguém com o nome de “Nevoeiro” e endereço de email “anorexia” a perguntar-me: que tal falar de sexo? Se poderia ser qualquer sexo?

Achas que alguém com anorexia tem pedal para o sexo? terá apetite para falar de sexo? Muito nevoeiro... não eras tu a gozar comigo, pois não? Hum...sei lá.... 

Já há muito tempo que não te escrevia no entanto, continuo a achar que ainda

não me equilibrei: a dependência de te escrever ainda existe.

Quando terminarem os meus exames na universidade, penso arranjar uma tábua de madeira e facas de ponta e mola. Vou atirar as facas à tábua de madeira! Um passatempo diferente… 

Escreve-me …Abraço

 

 

Data: Terça-feira,  09 Fevereiro 1999    14:23h,  *Assunto: Re: “Facas”

Gosto muito de te ler.......

 

 

Data: Sábado,  13 Fevereiro 1999    14:57h, *Assunto: “Magnetismo”

...durante dias acordei às 4:00h  da madrugada para estudar. Concentrei todo o estudo em 18 dias apenas. O curso que ando a tirar, lembras-te? Tenho repousado pouco. Se os resultados forem insatisfatórios irei concluir que foi imprudente compactar, em tão pouco tempo, conteúdos leccionados durante três meses e meio. Tenho descansado mesmo muito pouco…uma simples distração minha e tombo sobre o amparo do sono. Mas nem aí  terei descanso, os sons  invadirão  os  sonhos, ei-los:

- O  som do espanto pela existência de rosas cor de  violeta e cor de laranja: comprei e já plantei as rosas de várias cores. Ao lado das cor violeta, coloquei as cor de laranja, seguidas das amarelas vivas, perseguidas de perto das pétalas bicolores rosa-amarelo localizadas atrás das bicolores laranja-vermelho, à frente destas, as cor rosa difuso-branco escurecido, as de cor vermelho noite, cor vermelho laranja forte e as de cor rosa virginal.

- O som do sal a arder  no lume: quando tiveres a possibilidade de estar  em frente  a uma  lareira, deixa ser esta a única luz existente em redor na noite calada. Atira-lhe sal e escuta o barulho do sal a estoirar. É isto o que o sal faz quando é atirado ao fogo: estoira!

- O  som da dor dum masoquista amarrado à cama, durante horas, com verniz na ponta do pénis: quando eu andava no ensino secundário a minha professora de socorrismo, que era também médica, contou-nos a história de que uma mãe tinha chegado mais cedo ao infantário para buscar o filho de  poucos meses. Em casa constatou que o filho ainda conservava as fraldas secas. Observou melhor a criança pois esta não parava de gritar tendo a zona da barriga extremamente inchada e, verificou existir verniz das unhas no orifício do pénis. A criança não podia urinar! Alguém no infantário não precisava de mudar as fraldas…

- O  som de uma alma  fantasma errante na solidão de um museu: uma possível atração para os museus sem visitantes…arranjar um falso fantasma…à falta de verdadeiros J…

- O  som da virilidade de um homem com um crocodilo: li vagamente, nas curiosidades duma revista, que existiam provas de  audácia entre os antigos romanos (ou seriam egípcios? ou seriam outros?...) que consistiam em  fazer sexo  com um crocodilo! Às tantas li mal ou percebi mal, não me parece muito credível o que estou a escrever... estás a conseguir ver a cena? 

- Mais som: o som inaudível do movimento dos planetas, o som do pensamento que quer ser interceptado, o som das aves sem limite superior, o som do email a deslocar-se na tua direção!

Fim dos sons e agora dormir!

O tempo tem estado bom!  Aliás está bom demais! O calor está a aumentar e aumentam os decotes!

Ideias passam-me pela cabeça! Passam e aquelas que ainda cá ficaram, dizem-me que as coisas impossíveis apenas posso vê-las em banda desenhada: aqui eles tiram o coração do peito quando este bate aceleradamente, pegam nele, falam com ele, sossegam-no e voltam  a acomodá-lo calmamente no mesmo lugar! 

Vou dizer-te o que já  há muito tempo te quero dizer: és um homem diferente e magnético!... Super magnético!

 

 

Data: Domingo,  14  Fevereiro 1999    02:35h,  *Assunto: Re: “Magnetismo”

Cresce a minha curiosidade de te conhecer pessoalmente........ não  por eu ser diferente ou magnético, mas porque tu, o disseste. Vamos tratar disso.

 

 

Data: Segunda-feira,  22 Fevereiro 1999    15:02h,  *Assunto: “Encantada”

Deixo que a escolha do dia, hora e local te pertença. Podes decidir sem hesitação.  “Vamos tratar disso”, fiquei encantada.

Sobre o que te hei de escrever hoje?

Sobre a decoração que fiz no novo apartamento duma amiga minha!

Ela comprou o menor número possível de móveis –crise de dinheiro e optou por móveis em segunda mão. Por isso pude fazer algumas maluquices (mal ela tenha dinheiro pensa comprar uns novos, ela é muito vaidosa!). Pintei alguns móveis com spray colorido de automóvel. Não ficaram mal: tirei-lhes a melancolia.

O spray de retocar automóveis, à venda nos hipermercados, é resistente aos anos e uso.

Para já não abundam objetos de adorno no apartamento dela -pessoalmente acho que roubam espaço mas claro, assim que ela tiver dinheiro...estou mesmo a ver a casa toda cheia disto e daquilo, ela adora “enfeitar”.

Ah! Posso também escrever-te sobre as pedras semi preciosas que trouxe do Brasil e dizer-te que este mês as entreguei a uma joalharia, bem como entreguei à mesma um desenho/esboço para fazerem um colar e uma pulseira

 

 

Data: Sábado,  27 Fevereiro 1999    01:20h,  *Assunto: “Mais...”

Olá!

(poema)

Não há dia em que ele não me tenha, Por vezes  sou a  primeira a querer, Peço-lhe que o faça, Antes da hora habitual, Mas por vezes, Por culpa do quotidiano, Tenho de lhe recusar a hora, Ele até me possuir nada mais irá fazer, Senão ver, Que a  minha  vontade, Em não querer, É nula, E a fuga uma apatia, Se ele já tiver dito sim… Ao possuir-me, Gera em mim lembranças, Que  quero recordar, No início de todos os dias, Ele escorrega lentamente para a profundidade, Um costume que se repete, Existe sinceridade no abandono de ambos…(fim)

O poema refere-se não a um ato sexual mas sim ao sono!….

De que pensavas que se tratava ?

Sabes que eu sonho a cores? É verdade! Só me lembro de ter sonhado a preto e branco, uma única vez em toda a minha vida. Coincidiu com uma fase em que eu andava “em baixo”, triste… Foi a minha primeira semana na Universidade, longe de casa, em que vivia num apartamento juntamente com outras estudantes, na cidade. De madrugada ouvia sempre a passagem ruidosa do camião de recolha do lixo que me acordava –depois tinha enorme dificuldade em adormecer até me ter habituado a este barulho.

A cidade tem muitos atrativos mas… não é a minha praia. O sonho foi terrivelmente deprimente: a branco e preto.

(poema)

Quando estou  no mundo dos sonhos, Com cores várias, Crio um outro mundo cheio de pérolas, Onde o mundo realista, Que só no chão sabe caminhar, Irá rolar... Vejo então o mundo realista a rolar sobre as pérolas, E depois dar um trambolhão para bem longe, Para bem longe, Ficando eu apenas com o meu mundo de sonhos fantásticos... No mundo realista, Por falta de um ombro, A minha cabeça encosta-se a uma parede, Nos sonhos, encosto-me a um vórtice, Onde tem origem todo um mundo fantástico, Cheio de super poderes...(fim)

Queres saber mais coisas?

Passei nos exames. Claro que ainda haverão mais ao longo do ano.

Mas estou cansada…queria estar acordada um pouco mais mas o sono é  tanto que  os meus olhos... Olha, um já dorme e o outro está a fazer-me o favor de estar a olhar para o que te escrevo agora no computador. Estou mesmo cheia de sono…mas continuo a escrever. Eu e as minhas compulsões…eu e a minha compulsão em escrever-te…

 

 

Data: Sábado,  06  Março 1999    23:23h,  * Assunto: “Miau!”

Olá! Tudo bem, por aí?

Está uma chuva persistente com nevoeiro denso e vento.

Estive trinta minutos debaixo do chuveiro. Adorei!

Queres ver-me a armar em inteligente? Repara no meu raciocínio: “O realismo se é real então existe. As piruetas também existem. Então as piruetas são exemplo de realismo. Mas o realismo não faz piruetas pois não tem pés para, sobre eles, movimentos circulares fazer embora se possam fazer piruetas mentais ou seja, piruetas no sentido de se poder mudar bruscamente de opinião.”

Já agora, pode-se afirmar que o real existe independentemente das opiniões? Concordas? Sim? Não?

E se eu tentasse um dia destes  a rapsodomancia? (suposta adivinhação por meio de versos saídos à sorte quando se abre a obra de um poeta)

E se eu fosse para um  baloiço, baloiçar e ver os dias passar? ( um deles (dias), se trouxer email teu, não o deixarei passar)

Miao…miao…transformei-me numa gata. Apetece-me miar!

E que tal eu virar uma malandra raptora e raptar-te! Onde é que tu estás?

 

 

Data: Sábado,  20  Março 1999    16:28h,  *Assunto: “Morangueiros”

Hello!

Vou espiar! Como colaboradores não posso contar com os morangueiros aqui de casa pois são ainda pequenos. Segundo a publicidade do fornecedor podem produzir muitos, muitos morangos. Encomendei mais cinco pés que deverão chegar dentro de dez dias.

Na verdade só  posso contar com  os maracujás e a sua árvore, o maracujazeiro.

A quem espiar? A ti! Como vou conseguir espiar-te?

Penso fazê-lo da seguinte maneira: eu faço as deduções com base nos dados fornecidos pelo maracujazeiro que os obterá comunicando com qualquer planta ou árvore de alguma rua, jardim ou edifício, que esteja familiarizada contigo.

E então é assim: a tua imagem na minha mente, plantas, leitura de mentes e a informação a veicular entre elas e eu.

O que pretendo saber? Pretendo saber se, se, se...se, epidemia de se´s!!...se és realmente o máximo!

 

 

Data: Sábado,  03 Abril  1999    18:57h,  *Assunto: “Espelho”

(poema)

"Estou em frente a um espelho embaciado, Meio hipotético de visão duma efígie, Mas estou distraída, Se eu tivesse sardas concentrava-me nelas, Nunca poderei tocar-me, Tocando no eu em frente a mim, Nem o espelho poderá transpor-me ou  transportar-me, Simplesmente estou encravada na minha desnutrição de alma, Sou desviada pelo olhar, Para as ágatas azul escuro, Percebo que continuo a desviar-me... Quartzo, Jaspe, Malaquita, Lápis-lazúli, Cristais de rocha, Ametistas, Turquesas, Turmalinas, Águas-marinhas, Granadas vermelhas, Esmeraldas, Tudo vindo do Brasil, Uma vela acesa, na noite, Fortifica a iluminação dos cristais, Continuo a desviar-me do que é diário, Preciso de intensidade, Vou fechar os olhos, Mas antes vou desligar o computador e a mente... Não…Não me desligo de ti..." (fim)

 

 

Data: Sábado,  17  Abril  1999    15:16h,  *Assunto: “França”

Olá  !

Pareço uma pétala. Bonitinha mas imóvel, à espera de vento forte para me desprender. Estou presa à minha falta de vontade e tenho novamente de começar a estudar. Dia 2 de Julho terminam os exames. Não tenho vontade alguma de estudar. Quando a tenho, espero que ela passe ou, tento convencer-me de que não tenho tempo para estudar. Não posso dizer que não goste do curso mas ultimamente, não tenho tido vontade. Isto é preguiça!...

Estou assim! Achando a vida simples! Tão simples!...

Os dias quentes estão a regressar... Pois é, não ando a estudar!  Porquê?

Porque me convenço que a culpa não é da preguiça mas do tempo quente que dá imensa preguiça. Ou talvez não ande a estudar porque tenho andado com muito sono, mesmo muito, muito sono e portanto preciso de dormir. Ou talvez porque estou bastante cansada após um dia de trabalho e apetece-me mesmo sentir muito cansada...para não estudar! Ou talvez porque tenho muita, muita, mas mesmo muita vontade de ir ao cinema e ainda não é hoje que posso estudar!

Aliás, tenho ainda mais uma desculpa: o curso que tenho basta-me, não preciso deste novo curso! Este vai ficar a meio, está visto!!

Outra das desculpas é eu achar que cá em casa as pessoas estão carentes de  bolos e, lá vou eu de carro ao hipermercado mais distante comprar um ou mais bolos de aniversário. Que vida difícil que tenho! O tempo não me chega para nada!...

E concluo assim, sem grande tristeza, que nada posso fazer para conseguir mais tempo para estudar!

Estou tentada a escrever-te coisas eróticas. Nunca o fiz, por ser um campo que não é propenso à  inovação. Acabam por surgir  ideias, frases, metáforas...já tocadas.  O soutien está a apertar-me! Estou melhor... acabei de o tirar.

Hoje estou sem ideias...  por isso não posso enveredar pela tal coisa erótica. Estás em França, verdade? (segundo li numa revista algures). Tem muitos castelos bonitos, verdade? Eu ando por aqui a construir castelos no ar!  São tantos que até posso exportar um castelo para aí    Queres um? 

 

 

Data: Domingo,  02 Maio  1999    11:49h, *Assunto: “Avarias”

A minha televisão avariou-se ontem à noite

Ontem fui ao casamento da minha  prima de 26 anos.

A sobrinha (da noiva) de 8 anos de idade, um dos elementos responsáveis pela  cesta das alianças, queria ir para a  igreja com o que eu lhe  tinha acabado de oferecer: dois colares compridos, dois anéis e brincos vários. Tudo bijuteria que não combinava,  em nada, com a sua vestimenta e ouro que usava! Ela estava decidida a melhorar o seu visual e até se achava mais bonita assim: tinha pendurado os diversos brincos nas argolas de ouro e os colares de pedras naturais coloridas, ao pescoço, pois estava cansada de ver tanto branco nela própria naquele dia, por isso nada havia de errado em pôr um pouco de cor nela, segundo ela.

Saí mais “cedo” da festa. Bem... aquilo começou às 12:00h na igreja, quando saí eram já 22h…não era cedo. Depois fui ao cinema à sessão da meia-noite. Quando cheguei a casa ainda não me apetecia ir para a cama. Tinha fome. Espreitei o frigorífico. Vi montes, e montes, de camarões cozidos. Tinha sido oferta da minha tia, mãe da noiva. Era de madrugada…comi. Comi tantos camarões que cansei de comer camarões!

Comia camarões e via televisão. Ora olhava para ela (televisão) ora para eles

(camarões). Num desses saltitar, estava eu  em “cima”  dos  camarões quando a televisão  perdeu a luz e tornou-se um ser das trevas. Fiquei sem  apetite. E foi quando achei que já estava cansada de comer camarões porque se a televisão tivesse continuado, eu distraidamente, teria continuado a comer sem nunca me cansar.

Fiquei sem televisão! Que chatice dos diabos! Perdi mesmo o apetite!

E tu? Como tens andado? Avariado? Não tens escrito.

 

 

Data: Sábado,  08 Maio 1999    02:40h,  *Assunto: “Impressionada”

A  independência absoluta dum ser relativamente a outro, não existe.... Estou impressionada! Um beijo

 

 

Data: Sábado,  15 Maio 1999    16:28h,  *Assunto: “Chuva”

Ontem e hoje caminhei debaixo, e em cima, de chuva e  sol.

Apetece-me usar um vestido comprido de renda, casaco comprido de couro, cabelo comprido solto e chapéu. Enfrentar a chuva sem agressividade.

A chuva caiu  mas levanta-se novamente sob a forma de vapor. A temperatura do ar está mais ou menos quente.  Bom seria se fosse mesmo quente.

Faltas-me  tu! Como vai a  preparação do teu novo CD? Não te desejo excesso

de confiança nem ausência de dores, pelo menos até o trabalho estar concluído: o excesso de confiança produz resultados semelhantes à euforia alcoólica. Quanto às dores estas pedir-te-ão alívio através da beleza da música que procuras –ela, música, virá até ti porque ela sabe que tu a procuras… Já a ansiedade é improdutiva, principalmente quando a ânsia se centra em querer fazer um trabalho muito bom. Por vezes para libertar esses medos, o melhor é mandar os medos  às favas, incluindo-nos nós mesmos. Isso liberta. abraço