Copyright © 2017-2019 NINFA ARTEMIS

Capítulo 4

P3Encontro

 

Data: Sábado, 12  junho 1999    23:01h,  *Assunto: “Um quadro caiu”

(poema)

"Um quadro com protecção de vidro, Caiu da parede, Haverão vidros pequenos escondidos, À espera estarão, De me atrair de improviso, Ou apenas estão onde a queda os colocou… Caminho descalça, Gosto, Mas hoje significará calçar, Consequências desagradáveis, O meu olhar… O meu olhar é atraído, Um vermelho intenso, Aos  meus pés está, Sangue, Cortei-me nos vidros, As consequências sempre existem…Olho… Olho de cima  para baixo, O meu olhar percorre, O meu coração…"

 

 

Data: Domingo, 13 junho 1999    00:04h,  *Assunto: “Batatas fritas”

Olá! ☺ Estive a fazer experiências com o meu cão pequeno.

Tema de pesquisa: apetites alimentares comuns ao meu cão e aos seres humanos.

Conclusão: gosta de leite, bolos, principalmente os que têm recheio de creme de ovo (esta experiência não foi barata, pois dei-lhe vários bolos a provar), gosta de pão com queijo ou fiambre. Também gosta de roer pimentos crus. E batatas fritas de pacote? Super mega adora!

 

 

Data: Segunda-feira, 14 junho 1999    00:03h,  *Assunto: “Girar”

Olá! As segundas-feiras põem-me pensativa…

(poema)

"Eu…uma personagem? Eu sou real, Por isso podes lançar-me flechas, Porque eu existo, Podes fazer-me incisões de amor, Porque eu existo, Podes fazer-me girar em tontura, Porque eu existo…Os dias continuam a girar, Na manhã, na tarde  na noite, Continuam a girar, Outra vez a manhã, Outra vez a tarde, Outra vez a noite, Stress emocional…Não posso parar este stress, Ele ocupa-me os dias, Se paro o stress, Não sei o que fazer com o tempo vago, Deixado pela ausência de stress, É a minha vida, Não conheço outra…Além do stress não tenho outro mundo a girar em torno de mim, Embora  a fantasia, Também orbite em torno de mim, A fantasia é um bilhete de ida para o amor, Eu fui e ainda de lá não voltei..."

 

Data: Terça-feira, 15 junho 1999    00:52h,  *Assunto: “Coisa divertida”

Olá! Vou contar-te uma coisa divertida!

Um vizinho meu ao tentar sair dum café aqui próximo, em estado profundamente alcoolizado, antes de dar o último passo para a rua, voltou-se para os que estavam atrás de si. Olhou uma vez mais para o pessoal do café,  depois fixou os olhos nas luzes do teto, luzes essas dum  brilho intensamente branco-dramático, teve tonturas e tombou no chão. Deitado e esticado na horizontal!

O pessoal vendo que ele não conseguia levantar-se, pegaram nele e puseram-no em cima da mota dele, como se fosse um boneco em cima do respetivo brinquedo com o qual deveria brincar.

Puseram a mota a trabalhar, deram um empurrão à mota, esta fez brummmm... e ele não teve outro remédio senão segurar o volante da mota que estava a andar com ele em cima. 

Ele abria os olhos, embora o álcool os fechasse. A mota conduzia-o. Os olhos adormeciam-se. Quando abria os olhos, olhava em frente e ia sempre em frente, indo assim, chegaria a casa.

Chegou a casa. Era já noite. Aliás era já noite quando o puseram em cima da mota e a viagem não fora longa. Acabado de chegar a casa, começa a exigir!

Exige que a esposa e os filhos, sentados a ver televisão, se levantem e se disponham em fila perante ele! “Sim, toca a levantar! Que caras são essas?! Nunca me viram? Eu sou o chefe desta casa! Vou inspecionar!”  Ele ia inspeccioná-los! Sim!

Não sei o que ia inspecionar pois a  respetiva esposa, ao contar a história, também não o soube precisar.

A cena da saída do café e a queda que o pôs na horizontal, foi-lhe contada por um vizinho que não entendeu porque é que o marido dela ao sair do café, já de costas, decidiu rodar o tronco, rodar a cabeça e fixar o olhar nas luzes do teto: “Olha, era como se estivesse a olhar para as luzes esquisitas de um ovni! Quem diz ver ovnis também deve estar bêbado! E foi assim: olhou, voltou a olhar e depois deu um tombo barulhento e fenomenal no chão duro. Para quem tombou de frente, nada mau... nada mau mesmo pois poderia ter partido a cabeça!  O teu marido é um belo ovni! Quase que quebrava o chão! Foi um tombo fenomenal!” –relatou o vizinho rindo-se.

E então, ele acabado de chegar montado numa mota, exigiu! Eles obedeceram-lhe pois ele chegou com voz autoritária: “Eu sou o chefe desta casa! Vou inspecionar!“  Dizia isto a cambalear. Ainda cambaleando fez alguns círculos e cai.

A esposa e filhos, desmancharam a fila e foram levantá-lo.

Enquanto o tentavam levantar, ele pregava bofetadas na esposa e filhos. Largaram-no.

Ele volta a cair e diz-lhes: “Seus filhos-da-puta! Não me ajudais a levantar!? Eu…eu...” Estava a tentar levantar-se. Cai e não cai...vai-se aguentando em pé…Não, parece que vai cair outra vez…caiu!

Foram levantá-lo, desviando agora o rosto das mãos do alcoolizado.

Ele ainda deitado, novamente bofetadas na esposa e filhos que tentavam agora levantá-lo uma segunda vez… Ele está a dar bofetadas também no ar. Desequilibra-se. Cai.

Terceira vez. Ninguém se aproxima. Tenta levantar-se sozinho e insiste: “Vou inspecionar-vos...foda-se...dói-me a cabeça...Suas bestas! Merda de bestas! Comeis às minhas custas! Farto-me de trabalhar e quando caio não tenho quem me levante! Vou inspecionar!” Diz isto cambaleando e cambaleando faz alguns círculos. Cai como há pouco. Quarta vez. O ébrio caído afirma: "Vou inspecionar!”

Entretanto conseguiram colocá-lo na cama. As coisas sossegaram.

A esposa ao lado dele estava quase a adormecer quando o marido a desperta e começa a empurrá-la: “Fora da cama sua puta!”.

Ele empurra, ela cai. A mota já está na garagem a dormir. Este homem não.

Ele foi fazer uma coisa: foi buscar o cão que estava a dormir na sua casota de cão em frente à casa do dono e trouxe-o ao colo.

O cão estava muito admirado com este afeto. A esposa estava admirada com a cena.

A cena não era ele trazer o cão ao colo, mas sim tê-lo enfiado na cama com ele. Era esta a cena com a qual a esposa estava admirada.

A esposa só começou a ficar seriamente preocupada quando o marido começou a afirmar em voz autoritária à esposa: “A cadela dorme comigo esta noite! Tu, vai à merda e deixa-me dormir. Tu é que és bonita...meu bichinho“. 

“Era um cão, não uma cadela!  O meu homem está cada vez mais avariado! Puta-que-pariu a minha vida!” -disse a esposa ao contar a sua história.

Já viste algo parecido a esta cena aqui relatada? Até amanhã

 

 

 Data: Quarta-feira, 16  junho 1999    01:05h,  *Assunto: “Cálculos”

...sabes quais foram os meus primeiros cálculos?

Aprendi a realizar os cálculos mais básicos de aritmética por volta dos seis anos de idade e um dos meus primeiros exercícios auto propostos foi: "Duas pessoas, se fizerem sexo pelo menos duas vezes por semana e permanecerem casados 45 anos, isso perfaz a totalidade mínima de quantas vezes sexo praticado?” 4500 vezes!

Mas o meu raciocínio não parou aqui!

"As borrachas para apagar as letras escritas a lápis, lentamente se vão desgastando. Supondo então que a “coisa dele” se desgasta aproximadamente 0.1mm (uma décima de um milímetro) por cada vez que faz sexo então ao fim daquelas 4500 vezes? A “coisa dele” diminui 45cm. Quanto terá restado?” 

Falta saber o comprimento inicial, não é?

E tu que cálculos andavas a  fazer quando tinhas seis anos?  ☺

 

Data: Quinta-feira, 17  junho 1999    00:09h,  *Assunto: “Otimismo”

Olá! ☺ está tudo bem contigo? Eu acho que sim, sim, sim!

Hoje estou super mega otimista! O mundo é lindo, tu és lindo, eu sou linda, os jardins de todo o mundo são lindos, o mar é lindo, a solidão é linda, a beleza é provocante…isso é lindo!

Adoro elogios! Isso é lindo! lindo! lindo! Está tudo bem contigo?

Não…não tomei nenhum comprimido em especial…eu gosto apenas de alimentação natural! Apenas estou apenas bem disposta!

Estou cheia de soninho…Acho que vou dormir…Isso é lindo! lindo! lindo!

Amanhã é sexta-feira!!! Isso é super lindo! Quase fim de semana! Super lindo! ☺

 

 

Data: Sexta-feira, 18  junho 1999    01:12h,  *Assunto: “Escondida”

Há coisas que te quero dizer mas não o vou dizer. Vou esconder-me nestas reticências “......................”  estás a ver-me? estás?! então vou esconder-me aqui nestas reticências maiores “.........................................................................................................” Já estou mais bem escondida? não?!  ainda estás a ver-me?!  tá bem, eu desisto de me esconder! Posso ser uma poetisa? Estás pronto para ver a minha pose de poetisa? Deixa-me tossir um pouco e concentrar-me...não sorrias senão não dá! Eu já tenho pouco jeito para declamações por isso, não me piores...não olhes para mim...também não sei para onde deves olhar...

(poema)

Os sentimentos da alma, Forma intensa têm, São sentimentos, Vividos na alma…O desespero tudo intensifica, O volume da voz quer chegar ao céu, Mas os sentimentos da alma, Maiores distâncias percorreram, São distâncias, Que vão do corpo à eternidade, Distâncias que não se vão embora, Distâncias que são soma de distâncias, Toca-me…

 

 

Data: Sábado, 19  junho 1999    18:03h,  *Assunto: “Cavalo”

Conheces aquela história: “Hoje não, dói-me a cabeça!”?

Fiquei tão contente com o sol do dia de hoje que, descalça, sentei-me no pátio da casa e pus-me a apanhar bastante sol. Também apanhei uma dor de cabeça, foi sol a mais!

Enquanto incubava a dor de cabeça debaixo do sol, lia uma revista mundana daquelas que são só fofoquices, estás a ver o género?

Na parte do aconselhamento, uma leitora pedia um parecer para o seu problema. À noite via-se obrigada a recusar a “vontade sexual” do marido dizendo: “Hoje não, dói-me a cabeça...”. À noite sentia-se muito cansada pois passava bastante tempo a cuidar do cavalo da quinta! Terminava dizendo que não sabia como resolver o problema, tinha receio em dizer a verdade ao marido: “Estou cansada, o cavalo desgasta-me”...

As pessoas têm receio em expressarem-se…eu pelo contrário falo demais, não achas? Blá-blá-blá…☺

 

Data: Domingo, 20  junho 1999    23:49h,  *Assunto: “Sangrar”

Amanhã é segunda-feira, dia de trabalho…enfim…não dá para ficar bem disposta, pois não?

(poema)

"A vida faz-nos sangrar, Para que o sangue não falte no corpo, Pega-se numa taça, Ampara-se o sangue que sangra das dores, Derrama-se sobre o corpo, Este absorve-o, E temos novamente sangue, Para sangrar abundantemente…"

 

 

Data: Segunda-feira, 21  junho 1999    00:17h,  *Assunto: “Quarto pequeno”

O meu quarto é pequeno. Está sobrecarregado de coisas: cama, armário, cómoda, livros, telefone, computador, tapetes, mesas e eu.

Sento-me na cama. Acabei de tomar banho, acabo de secar o cabelo. Não me apetece penteá-lo. Até amanhã

 

 

Data: Terça-feira, 22  junho 1999    00:51h,  *Assunto: “Dilúvio”

Muitas vezes inicio o email com “Olá!”…Deixa-me ver uma forma diferente para o início:

”Meu querido”...não, pois não?

“Meu amor”…um pouco exagerado? Também acho.

“Meu adorado”… não estou a melhorar, pois, não?

“ Minha paixão”…é demasiado doce e podes ficar diabético.

Não está a resultar, pois não? É melhor pedir um dilúvio qualquer para isto ficar mais interessante, concordas? Os dias estão tão quentes e secos…espero que chova…

 

Data: Quarta-feira, 23  junho 1999    00:06h,  *Assunto: “Mulheres”

Olá!

Mulheres...o que  posso eu dizer sobre esse tema?

Na piscina, no balneário feminino, dá para observar bem as mulheres.

Existem algumas que estando completamente nuas, abanam as mamocas grandes quando andam de um lado para o outro à procura da sua toalha, do seu champô, do seu creme hidratante….e de não sei que mais. Os homens adorariam ver esta cena, certo? Seria excitante, não? Bem…elas andam por ali todas contentes e todas nuas saracoteiam-se pelo balneário…Tiraram a roupa para ir para o duche, depois sairão do duche, depois demorarão a vestirem-se porque antes necessitarão pôr o hidratante corporal. Diz-me: como são os homens nos balneários?

“Não têm interesse nenhum” - dirás tu.

Já tive uma proposta velada duma amiga minha ☺. Não creio que fosse a sério. Ela é muito divertida e amiga. Toda a gente é unânime em afirmar que ela é muito bonita. A sua beleza é realçada pela maquilhagem, unhas longas, cabelo louro-ruivo e grandes decotes.

Ela tem apenas um senão: abusa um pouco do perfume. Embora ela só use perfumes caríssimos, super cheirosos… abusa mesmo!...Mas eu adoro-a!

Outro senão é também a quantidade de “joias” que usa tais como pulseiras, anéis e colares… Sabes a barulheira que as pulseiras fazem quando ela gesticula com as mãos?! E quando as pulseiras roçam sobre o tampão de uma mesa, por exemplo, ao tomar café?!

Mudando de assunto: quando eu estava no ensino secundário numa aula de socorrismo, a professora, que era médica, foi abordada por uma aluna da turma que fez a seguinte questão: ”Os  hermafroditas podem se auto fecundar?”

A resposta foi negativa.

Mudando outra vez de assunto: alguma vez tiveste a possibilidade de visitar as casas de banho femininas? Os textos lá escritos nas portas das casas de banho encontram-se “reforçados” com desenhos, palavrões e também contatos telefónicos…as mais conscienciosas (eu?) escrevem a lápis para facilitar a limpeza por parte das funcionárias…

Vocês artistas que afirmam inspirarem-se em nós mulheres, com ou sem mamocas à mostra, para as vossas canções de amor…acham-nos tão boas assim para fonte de inspiração? Se tu visses os insultos que nós mulheres escrevemos nas portas das casas de banho públicas…perdias a inspiração… Não me estranhes ☺

 

Data: Quinta-feira, 24  junho 1999    02:09h,  *Assunto: Re: “Mulheres”

Como te posso estranhar se, embora Mulheres, as mulheres serão sempre Mulheres e, ainda bem. Propostas como essa da tua amiga deves ponderá-la e... telefonar-me. Não me estranhes.

 

 

Data: Sexta-feira, 25  junho 1999    22:34h,  *Assunto: “1,2,3,4,5,6.....”

Olá!...vou hipnotizar-te: estás cheio de sono! As tuas pálpebras estão a ficar cada vez mais pesadas...mais pesaadaas...muiittoooo maiiisss pesaaaaadas! Quuantooo maiiisss esfoorççoo foorr feeiitooo paarrraaa aaabrrrilllááá-laaassss...mais pesadas ficarão. Pesadas...pesadas...muito pesadas…até se fecharem! Vou fazer contagem crescente…quando chegar a dez adormeces instantaneamente! 1... 2... 3.. .4... 5... 6... 7... 8... 9... 10!

Já adormeceste? Hum...vou fazer-te um teste... cócegas nos pés... Há-há! Tás-te a rir!!  malandro!

 

Data: Sábado, 26  junho 1999    10:42h,  *Assunto: “Intenções”

Vou furar os pneus do teu carro!  Com espinhos de rosas,  ☺ olá!

As minhas intenções, em relação a ti, são sempre muito sérias! Uh-uh! se são!

De maneira alguma poderás colocar hipóteses que não favoreçam a minha imagem junto ao teu imaginário! Pois…sou uma anjinha! Ando sempre nas nuvens…sou um perfeito anjinho, com asas (( ☺))

 

 

Data: Domingo, 27  junho 1999    11:14h,  *Assunto: “A minha terra”

Olá! Hoje é domingo de manhã.

Anda comigo dar um passeio pela minha aldeia!

Dum  terraço, veem-se vales e montes. Esse terraço também é o teto da nossa cozinha exterior anexa à casa, onde temos um fogão de lenha. 

Daí avistam-se montes que não deixam vislumbrar o que existe depois deles pois são altos.

O firmamento está bem firme no azul lá de cima e o enquadramento é o seguinte: em algumas casas há música alta e alegre acompanhada de odores de comida que está agora mesmo a ser cozinhada. muito provavelmente um assado. No ar também existem odores de silvas secas que estão a ser queimadas -são silvas resultantes da limpeza dos terrenos. O dia está um pouco húmido, não há perigo de propagação de incêndio.

Nos campos dos meus pais, o que há? 

Vinhas dispostas sob a forma de ramada que abrigam flores como rosas e muitas outras flores coloridas.

As ramadas abrigam ainda erva que cresceu, em breve irá ser cortada, seca ao sol e guardada como restolho que será usado para fazer o ninho aos animais tais como galinhas, coelhos etc. Vê-se que a erva cresceu com trevos e margaridas à mistura.

A circundar alguns dos nossos terrenos estão bouças cheias de cor verde vindo dos pinheiros, castanheiros, eucaliptos, mato, musgo e flores silvestres. Aí também se avistam penedos decididamente sedentários embora, a inclinação de alguns, se houver, por pequeno que seja, um terramoto, começarão a rolar perigosamente pelas encostas. Irão esmagar as ramadas, afundar no solo a erva e eu espero estar longe deles.

O verde e a calmaria abundam por todo o lado.

Preciso que me belisques para sair desta calmaria! ☺

Verás ainda um tanque em pedra. A sua água vem da fonte (melhor dizendo mina de água) contígua a ele. Vê-se a água a correr no chão da mina…pode-se caminhar (debruçado) lá dentro até à nascente e observar a água a brotar do solo…A água excedente que transborda da mina, cai diretamente para o tanque. Este está rodeado por várias fiteiras (árvores) enormes e pontiagudas, dando à paisagem que circunda esse mesmo tanque um ar de selva densa e inexplorada.

Gostaste do passeio?☺

 

Data: Segunda-feira, 28  junho 1999    23:01h,  *Assunto: “Mortal”

Olá! Gostas de hospitais? ☺

O meu pai sempre teve uma excelente saúde mas ao início da noite não estava a sentir-se bem e foi às urgências ao hospital. Foi-lhe diagnosticado um problema relacionado com a existência duma “pedra” no rim a provocar-lhe derramamento interno de sangue, segundo mostrava o exame raio X.

Os hospitais não são locais de alegria portanto é evitá-los: todo o mortal, se quiser ser feliz, deve cuidar da saúde corrigindo os excessos (de vez em quando estes sabem bem mas não pode ser sempre, ao que parece  ☺) e estar atento a eventuais sinais indicadores de uma possível doença pois, os hospitais não têm saúde para dar, o corpo sim, é que dá saúde.

Contigo está tudo bem ? um abraço  ☺

 

Data: Terça-feira, 29  junho 1999    00:05h,  *Assunto:“Opinião”

olá... estou cansadinha... mesmo muito, muito... cansadinha.     

Estou com uma revista feminina na mão e leio: “Uma mulher que tente seduzir diretamente um homem funciona como anti sedução para o mesmo”.  Opinião dada por uma psicóloga! Que se lixem todos! Quero é dormir…estou morta de sono… tenho que vestir o pijama…ainda não tirei a roupa com a qual fui trabalhar…que preguiça…quero é dormir…adeus mundo!...acho que vou dormir assim com esta roupa vestida…vou só desapertar o cinto das calças e descalçar as botas…

 

Data: Quarta-feira, 30  junho 1999    00:11h,  *Assunto: “Cobras”

Olá! ☺ Sabias que nesta época de Verão também se encontram cobras a refrescarem-se junto à fonte perto da nossa casa? Na maioria das vezes nem nos apercebemos delas pois afastam-se, se sentem a presença de humanos. Mas hoje vi uma!

Estas cobras, pelo menos aqui nesta zona, não são venenosas mas são feias!! Pelo menos aquelas que vi! Vestem cores extremamente feias: tonalidades de castanho à mistura com tonalidades cinza e preto...o que é que tu achas destas cores? Estas cobras assustar-te-iam? E se eu te disser que elas às vezes caem das ramadas?

Às vezes as cobras desequilibram-se, sabias? Caem em cima de nós antes de caírem no chão! (é muito raro tal suceder mas sucede ☺) Depois fica sempre aquela sensação: “Será que elas nos observam?...Será que elas se vão desequilibrar enquanto nos observam a partir do alto da ramada?... Ai que medo!”  ☺ 

 

Data: Sábado, 03 Julho 1999    23:04h,  *Assunto: “Esquilo”

(poema)

"Colide comigo…Biparte-me em partes diferentes…Como é possível dar conforto, A não conformistas como eu?...O meu conhecimento das coisas é estranho, Eu reúno as características dum daltónico, Acredito nas cores que vejo, Com cortesia dizem-me, Que a vida outra cor tem…O conhecimento dos que não são iguais a mim, É racional, sensorial e senso comum, Eles vêem tudo correctamente, Eu sou o desastre errado…Eles têm o cuidado de não se danificarem, Eu também, Mas acabo por me magoar, Pois vivo desprotegida, Posso a qualquer momento ser fuzilada…Não tenho receio por mim, Os outros em vez de velejarem, Gastam o tempo a vigiar os seus veleiros, Eu viajo por mundos…A madrugada está a chegar, Como seria se eu fosse um esquilo? Andaria a divertir-me mais? Quem me vê? Tu meu amor podes ser extravagante, Mas eu sou mais fora do comum, Que tu…Consegues encontrar-me por entre a invisibilidade?..."

   

 

    

Data: Segunda-feira, 05 Julho 1999    01:00h,  *Assunto: “O meu avô”

Olá! ☺ Recordo a minha mãe contar que o seu avô tinha sete quintas, sete filhos e um cavalo. Quando saía da taberna à noite, podia confiar no seu cavalo porque este o levava a casa enquanto ele dormitava, montado no mesmo, segurando as rédeas e levando uma bengala.

Na proximidade de assaltantes, o cavalo dava sinal relinchando agressivamente. O dono fingia-se adormecido mas de súbito a bengala castigava, maltratando os assaltantes.

Depois o cavalo galopava todo contente porque tinha um dono que era um herói!           

Bons tempos…havia espaço e cavalos.

...Ouço o galope de um cavalo... volto-me...olho para trás…vejo sob o luar da noite…O pó da terra levanta-se com ferocidade...início do século dezoito...um vulto de capa preta...ele exige mais do cavalo...velozmente este lhe obedece...parece que há um objetivo...mas...vem em direção a mim?!...apanhou-me! Estou agredi-lo...aliás...que confusão!...fui içada…ele está a ter dificuldade em manter-me em cima do cavalo...e manter-me nos seus braços…

-Está quieta sou eu!...

- Oh! Arranhei-te junto a um olho! Tens sempre de arranjar-me novas surpresas?!... Olha só o que eu te fiz!! Quantos beijos tenho de te dar para reparar o arranhão que te fiz agora?

- Os que quiseres...

 

 

Data: Quinta-feira, 08 Julho 1999    01:41h,  *Assunto: “Provoca-me”

Estou a ter dificuldade em ter assunto. Falemos de sexo. O sexo vende sempre.

Só tu e eu.

... Apetece-me...muito...falar de sexo...o apetite é grande...provoca-me!

 

Data: Sábado, 10 Julho 1999   02:08h,  *Assunto: Re: “Provoca-me”

Fala de sexo. Gosto de te ler.

 

 

Data: Sábado, 10 Julho 1999   11:50h,  *Assunto: “Sexo”

Sexo: ato fantástico de atar os corpos!

Sexo: entronar ou entornar as emoções? ☺

 

Data: Terça-feira, 13 Julho 1999   00:30h,  *Assunto: “Correio vazio”

Hoje… correio vazio… sem ideias para escrever… Mas eu adoro-te ☺

 

Data: Quinta-feira, 15 Julho 1999   00:26h,  *Assunto:  “1 ano”

Em breve, faço 1 ano em que me agarrei a ti…Está tudo bem por aí? ☺

 

Data: Domingo, 18 Julho 1999   02:03h,  *Assunto: “Medos”

(poema) O medo o que é?  Um grão que se pisa, Um grão que se sente, É uma hérnia surgida do esforço em combatê-lo, É uma herança legada mesmo aos que se dizem hereges, Na crença do medo…O medo depressa surge, Basta uma sugestão de medo, Basta uma beleza que facilmente se desfaz, O medo depressa reaparece… A tristeza absoluta comunica com o medo? Se a tristeza for absoluta já nada receia, O seu estado é pior que medo… O nosso legado não são tristezas absolutas, O nosso legado são medos a reter, O mortal e o imortal  falam do medo, Vou calar-me acerca do medo, Não sou necessária para o relembrar… Dizem que o medo mete mesmo medo! Uh!" (fim)

Estás a dormir? Estás sozinho? ☺ Ontem passei pelo hipermercado, eram quase 21h. Por alguma razão estava com os olhos hipersensíveis à luz. No interior do hipermercado as luzes abundam…sol da meia-noite!...

Sabes uma coisa? Vou comer abacates maduros com vinho do Porto e açúcar…é bom! Já provaste?

Amanhã de manhã estarás em frente ao espelho com uma lâmina de barbear, para desfazeres a barba, certo? Fazes muitos cortes em ti?☺

Deixa-me observar-te. Oh, cortaste-te! A fama deve ser análoga: a fixação dos olhares dos outros lembra uma lâmina a roçar a pele. Estás a sangrar!...não sangres porque tenho tendência a desmaiar...não suporto ver sangue…começo a ver tudo de cor amarela juntamente com um forte zumbido nos ouvidos acompanhado de chilrear de pássaros vindos do nada! Acho que vou desmaiar! Seguras-me? ☺

 

 

Data: Sábado, 24 Julho 1999   10:05h,   *Assunto:“Champanhe Rosé”

Sabes que bruxedo vou fazer para tu colares a mim?

Vou regar-me com champanhe, de preferência  rosé.

Se não colares, pelo menos afastará  qualquer azar de mim. Resultou com o meu carro. Durante dois meses avariou, literalmente, quase todas as semanas. Depois desse  tratamento, cessou o azar. Reguei os pneus com champanhe rosé embora também lhes tenha atirado sal.

Quando te sentires azarado, já sabes! De facto, convém que uses champanhe… rosé! Se puderes deita também sal!☺

 

 

Data: Quarta-feira, 28 Julho 1999   01:01h,  *Assunto: “Longe”

Não disponho de assunto para escrever…Nestas alturas, sinto-me longe...

 

 

Data: Quinta-feira, 29 Julho 1999   11:26h,  *Assunto: Re: “Longe”

Estou na fase final das gravações. Parto para os EUA em breve.

Ando nervoso e cansado.

Obrigado pelas tuas palavras, frases, metáforas, metonímias, ajuda e inspiração.

Um beijo

 

 

Data: Quinta-feira, 29 Julho 1999   20:07h,   *Assunto: Re: Re: “Longe”

Que as coisas boas te acompanhem nesta última fase do teu trabalho.

Um grande abraço e um beijo.

 

Diálogo 7 * colega de trabalho,  * Sexta-feira,  30 Julho 1999   21:15h

- Olá diáfana famosa!

- Olá bonitona!  Onde foste buscar o termo diáfana?!

- Poderíamos encontrar-nos mais vezes!...Mas a ti raramente te apetece sair de casa…O que existe de tão interessante em casa?! O termo diáfana vi num livro que ando a ler.

- Não me digas que deixaste de ser uma aventureira febril e viraste uma pacata cidadã com tempo para a leitura?! Esse termo diáfana foi aplicado a uma personagem feminina no livro? Era um romance?

- Não, era um livro policial. Alguém tinha cometido um crime com uma jarra diáfana. Sabes, somos ambas duas belas jarras! Uma é diáfana, outra loira-ruiva! Ambas temos o nosso encanto…tu mais pela diferença e aura de mistério, eu pelo ar de aventureira e este loiro-ruivo! Eu pinto o cabelo, sabias?

- Qual é a verdadeira cor do teu cabelo?

- Vê lá se adivinhas...

- Eu diria talvez castanho escuro, pela tua cor de pele. No verão vi-te na praia sem maquilhagem e pude ver a tonalidade verdadeira dela e também, sinais de nascença no rosto que agora não estou a ver!...deves ter uma boa camada de creme base e pó compacto de cor clara na pele…

- Eu adoraria ser branca, dum branco anémico! Sou um pouco para o moreno…Adivinhaste a minha cor de cabelo pela minha tonalidade de pele?!

- Não. A verdade é que quando nos encontrámos na praia, enquanto te ausentaste por uns instantes para ires comprar cigarros, o teu namorado perguntou-me se o meu cabelo era mesmo comprido? Eu disse-lhe que não era nenhuma peruca. Ele afirmou que as mulheres são cheias de truques: poderia ser alguma aplicação de cabelo. Eu levava o cabelo preso em trança... Depois a brincar afirmou também que tinha quase a certeza que eu pensava que tu eras loira de verdade. Eu disse-lhe que tu de facto eras loira, tirando as madeixas alaranjadas. Ele sorriu e disse-me: “A parte de cima loira não condiz com o resto mais abaixo! É escuro. Ela tem cabelo castanho escuro pois dei-me ao trabalho, enquanto ela dormia, de pegar numa lupa e com a ajuda da luz da cabeceira da cama vislumbrei a cor da raiz do cabelo...”

- Qual namorado?! Ah! Já sei...era o tal que precisava de ver um vídeo porno para arrancar!... aquele filho da mãe! Ainda bem que já o mandei passear! a parte de cima não condizia com a debaixo! Aha aha aha que cómico!...Uma lupa?! Onde foi ele arranjar essa merda? Ah! Já me lembro…Eu de facto comprei um lupa…queria pintar as unhas com perfeição…

- Porque estás pensativa?...

- Estou a pensar que tenho de pintar os pelos púbicos da mesma cor que os da cabeça para eles pensarem que sou loura natural…se um dia virares cantora…escreve uma canção onde metas algo do género “pintar os pelos púbicos”…ok?

- Isso nunca vai ocorrer! Eu cantora?! Já é tarde para mim…Nunca cantei nem tenho experiência…mas se um dia eu virar cantora, prometo pôr isso na canção em tua homenagem!

- Acho que vou mesmo pintar cá em baixo em loiro e pôr-lhe umas madeixas  laranja…porque não? Aquele filho-da-mãe! Para a próxima quero que me contes imediatamente essas merdas!... ok?

- Acordas cedo para te arranjares? Maquilhagem e essas coisas?

- Não, não acordo muito cedo...já estou habituada a maquilhar-me...ele que vá mesmo à merda! Ando com outro...este último é doido pelo seu porte atlético...mal sai do emprego mete-se logo no ginásio a fazer musculação e mais não sei quê! Toma vitaminas para isto e para aquilo...é mais outro doido! Mas este tem bom corpo!... Não, não acordo mais cedo para me maquilhar mas devia pois nunca tenho tempo para tomar o pequeno-almoço em casa...que se lixe! Devias também usar maquilhagem… raramente usas, fica-te bem.

- Queres que te diga umas frases bonitas? Se eu escrevo algumas ao cantor, também posso dedicar algumas frases bonitas a ti…

- Ainda continuas a corresponder-te com ele?! Isso ainda não acabou?! Quantos emails é que já lhe enviaste desde o nosso último encontro?...

- Mas tu achas que escrever é o mesmo que foder? É só abrir as pernas?!

- Tu às vezes és fogo, não achas bombom querido?

- Tu disseste-o num tom como se eu fosse maluca. Escrever é algo que merece respeito...exige muito esforço emocional, tempo, imaginação...para além de que estamos entregues a nós mesmos...ali sozinhos a escrever...sentados numa cadeira...isolados... vem do coração...por isso merece respeito.

- Eu acho que devias escrever sentada no sofá, penso que estarias mais confortável que na cadeira! Tu interpretaste-me mal! Não sejas tão sensível! Eu gosto dos teus textos e o cantor também! E olha que ele é não é um homem qualquer! Viaja muito...conhece muita gente em vários campos das artes...e sei lá que mais!... Embora também o ache um bocado passado da cabeça…não sei se isso é bom para ti…E como os opostos se atraem talvez ele goste de ver “normalidade” nos outros. Tu não és “normal”. Talvez ele goste de se sentir a única ave rara no meio da multidão…ele gosta de brilhar, ele tem um jeito um pouco excêntrico e tu irias ofusca-lo querida…

- Eu ofusca-lo?!

- Sim querida, porque talvez ele ande a fingir que é diferente…Tu és o oposto dele: o que tu querias era ser igual a toda a gente mas não o consegues. A tua diferença é autêntica porque tu sofres com a tua forma de ser, não é exibicionismo.

- Só te falta dizer que eu é que sou a verdadeira artista e não ele!

- Sim…és mais criativa que ele mas, não penses que ele vá valorizar essa tua criatividade por muito mais tempo! Vou dizer-te pela última vez: ele mais tarde ou mais cedo vai achar que és maluca e que não tens mais que fazer com o teu tempo senão escrever-lhe. Sim! Vai achar que és maluca! Tu não vês os comentários no guest book dele? Não sei se ele tem namorada mas se tem, é-lhe muito infiel! Mesmo que ele quisesse ser fiel é-lhe difícil, tem muitas tentações -elas, às centenas, atiram-se a ele. Tu vais ser muito magoada por esse fulano!...Mais uma vez te estou a avisar…

- A minha vida já não está boa há muito tempo e se toda esta história acabar mal, logo verei o que de bom posso tirar dela. Para já vou escrevendo…estou a gostar…está a ser engraçado…

- Está a ser engraçado?! Tu achas graça? O conselho que te dou é o seguinte: guarda os textos pois nunca se sabe se um dia não escreverás um livro. A troca de emails com ele, quer queiras ou não, vai acabar…talvez em breve. Num acesso de raiva podes ser tentada a eliminar toda a tua correspondência com ele do teu computador, querendo-o apagar da tua vida… Guarda os emails que lhe enviaste -são engraçados, interessantes, eu gosto, ele gosta e talvez um dia dês a conhecer a tua história ao mundo. Tenho a certeza que terás uma multidão de gente a gostar de ti.  Quem sabe se um dia não abrirás as asas, voarás pelo mundo e verás todas as coisas belas que o mundo tem para oferecer… Só te peço que continues a ser tu, não deixes que ninguém te mude! Continua a ser uma coisa boa neste mundo sacana! Tu mantém-te igual a ti própria ou melhor, ouviste?

- Ouvi. Não vou deixar que as desilusões e os desgostos me corrompam…

- Isso mesmo! Muito bem. A propósito do destino, tu acreditas nessas coisas, eu não mas não posso negar que o destino muitas vezes é irónico. Um dia o cantor estará algures por aí esquecido e tu estarás a brilhar bem no alto como uma estrela! A vida é mesmo irónica…por exemplo, eu casei virgem, não me maquilhava, usava roupas discretas, era tímida e olha só em quem me tornei: uma aventureira!! Mudando agora de assunto: conta-me coisas dos emails!

- Ele disse-me ontem, num email,  que partia em breve para os Estados Unidos da América, provavelmente referia-se a Nova Iorque. Está na fase final das gravações do seu novo disco.

- Ele deu-te essa resposta gratuitamente ou tu pediste-lhe para ele te responder?...

- Por acaso queixei-me de ele não estar a dar resposta alguma aos meus emails...

- Ele não se insinuou para se encontrarem uma outra vez?

- Há um mês atrás num email disse-lhe que tinha tido uma proposta velada de uma mulher…uma amiga...que queria dormir comigo…ele achou piada... 

- Falaste de mim?!

- Porquê? Atiraste-te a mim?!

- Ambas sabemos que foi a brincar! Ele achou piada foi?...

- Disse-me, por email, que quando eu tivesse mais propostas dessas da minha amiga, para eu pensar melhor na proposta e telefonar-lhe!

- Ai é?

- Sim.

- E telefonaste?

- Não. O que te sei dizer é que para receber email dele pedi-lhe para me provocar porque eu queria falar de sexo. Ele respondeu pedindo-me para falar de sexo porque gostava de me ler.

- Trouxestes os textos?

- Não, desta vez não trouxe...saí à pressa de casa e esqueci-me.

- Então tens de falar de sexo para ele te responder?...Muito bem! Não lhe disseste que gostarias de o ver antes da partida dele para a América? Quem sabe se não era isso que ele queria...

- Achas?!

- Sabes…acho que vou mesmo pintar cá em baixo...os pelos púbicos.

- Lá está ela com a mudança repentina de assunto! Olha…aproveitas e fazes uma risca ao meio: metade loiro e metade azul berrante, que achas? Há para aí rímel colorido que pode dar um visual giro...

- Tu estás a brincar mas olha que eu acho a tua ideia muito boa! Minha querida diáfana, onde vais tu passar as tuas férias?

- Talvez a lado nenhum…talvez só até à praia…

- Vou dar uma saltada a Paris, depois Londres e depois Nova Iorque. 18 dias!

- Viva o sol e as férias!

 

 

Data: Sábado,  04  Setembro 1999   22:16h,  * Assunto: “Matar ou Ter Juízo”

Hoje parei o meu carro numa estação de serviço qualquer de uma auto estrada à ida para a praia. Vi carros a passarem a 180 km/h e pensei na minha vida. Pensei em ti.

Desejo um dia que tu e eu, nos possamos encontrar…

Na autoestrada o sol queimava o alcatrão…A minha forma de ser queima a minha existência?...

Se tu fosses um escocês usando saia, eu a levantaria. Se não tivesses cuecas, seria um problema teu!…☺… A praia estava fantástica!

 

 

Data: Sábado,  11 Setembro 1999   23:07h,  *Assunto: “Mar”

(poema) "Uma posição corporal, Pode ser uma atitude, Mesmo que para tal, Não se pense em beatitude… Os meus versos perdem-se na memória, Encontram-se comigo numa masmorra, Parecem uma escapatória, Para a tortura da solidão que jorra…" (fim)

Então… tudo bem por aí?

E eu?! ☺obrigada por perguntares...Também me podes perguntar o que tenho andado a fazer! Tenho esperado que o mar se enraiveça!

Durante semanas o mar esteve tranquilo... demasiado tranquilo!...tão parado...o mar não se mexia...agora em Setembro vejo ondas consecutivas ao longo de todo o  mar…um lençol ondulante! Está tudo ondulado!  Abraço ☺

 

Data: Sábado,  18 Setembro 1999   19:19h ,  *Assunto: “Homens”

Uma conversa com a minha mãe: “Ó minha filha...ele tem-te respondido? Não? estás a ver?!...ou ele é muito ocupado ou...às tantas tu não sabes escrever...”

 

Data: Domingo,  19 Setembro 1999   06:02h,  *Assunto: Re: “Homens”

Estou a viver em Londres, e estarei ainda bastante tempo.

Adorei a tua última mensagem. A tua mãe deve ser fantástica....

Um enorme beijo para ela. Outro especial para ti.

 

Data: Domingo,  19  Setembro 1999   11:13h,  *Assunto: “Eu sei… ”

O teu enorme beijo pôs a minha mãe quase a corar ☺

Hum… em Londres... Será que não estás aqui em Portugal mas simplesmente não tens tempo? ☺

 Tal e qual como sabes as músicas do CD que irão ser as mais badaladas, eu sei quais os emails a que responderás. Perdoa-me mas este não é um deles! ☺

 

 

Data: Segunda-feira,  20  Setembro 1999   01:42h,  *Assunto: Re: “Eu sei… ”

Espero que as minhas certezas em relação às músicas mais badaladas sejam mais seguras que as tuas previsões de respostas aos emails que me envias.

Perdoa-me tu. Um beijo

 

Data: Sábado,  25  Setembro 1999   17:19h,  *Assunto: “Cócegas“

Obrigada por responderes…Quando tu respondes fica tudo mais interessante...  

Apetecia-me dar-te uma pena para tu me fazeres cócegas... ☺